Vida amorosa – Por que é tão difícil?

Acabei de ver um filme romântico, coisa que amo fazer. É lindo, é comovente, meche com nossos sentimentos, nos faz suspirar e mesmo sendo algum filme com um final que não seja “feliz” nos faz refletir também.
E enquanto eu via o filme The Longest Ride (Uma Longa Jornada), pensei brevemente sobre o tema: Encontros e Desencontros.

Se quiserem ver o filme eu indico, ai vai o link: http://popwithpopcorn.com.br/2015/04/24/uma-longa-jornada/

Nos filmes Românticos parece ser tão simples encontrar a pessoa “certa”. Por mais que depois a vida tenha seus desafios, desastres e surpresas, aquela pessoa continua sendo a pessoa “certa”. Porém a verdade da vida não é bem essa, não é mesmo. Na minha vida custou a ser.

Foram alguns encontros e desencontros, foram sentimentos que na época eram bem verdadeiros e sinceros. Eu não estava vivendo a vida para “curtir”. Eu queria de fato entregar meus sentimentos mais nobres a pessoa mais nobre. Mas de fato não foi simples. Eu olhava outros casais que conhecia e parecia ter sido fácil. Um amor/relacionamento que aconteceu ainda na juventude em plena puberdade e que deu certo, estão casados até hoje e são felizes.

Mas na vida real, as coisas não são bem assim. Já dizia o sábio Salomão que quatro coisas eram maravilhosas mais a quarta ele não entendia: 1°) a águia voando no céu; 2°) a cobra se arrastando nas pedras; 3°) o navio que encontra o seu caminho no mar.” A 4° “O caminho de um homem com uma mulher”!
Salomão não entendia; Eu não entendia; Por que era tão difícil? Como é o caminho de um homem e de uma mulher? Por que nós nos desiludimos? Porque acreditamos de todo nosso coração que algo é verdadeiro, porém não ser?

O primeiro dos desafios acredito eu é tudo isso não ser despertado tão cedo. Não estou falando de sexo. Estou falando do sentimento em si. Estou falando de quando você abre o coração sendo ainda tão inocente e se deixa levar por um olhar ou pela fala daquela sua amiga bem próxima – “Ele gosta de você”. Pronto, era tudo o que você não precisava ouvir. Sendo tão novo, as possibilidades do erro são maiores acredito eu. Mas lhe dar com isso vai requerer muita força de vontade, concentração e gente que te ama de verdade e vai poder te aconselhar.

As consequências de alguém que se envolve em um relacionamento afetivo sendo tão novo podem ser desastrosas. Uma gravidez indesejada ou até mesmo desejada. Depois, um relacionamento precoce se é que o outro ficou com você. E se vocês ficaram juntos e já engrenaram em um relacionamento com uma criança – no início é novidade, a família toda ajudando, mas as responsabilidades virão. Um, dois, quatro anos se passam, e o sentimento de querer ter “liberdade”, ser “solteiro” podem começar a vir. Na verdade acredito que virão, por que houveram fases não vividas em sua plenitude. Então é melhor ter calma.

Na minha época era tudo muito inocente. Estou falando de 15/18 anos atrás. Mesmo assim, deixar um sentimento invadir seu coração é bom pela emoção da juventude e pelo fato de ser correspondido, por outro lado, podem haver desilusões tão precoces e até mesmo devastadoras, por que não existe ainda capacidade em gerenciar sentimentos – pessoas morrem e se matam por “paixões”.

Graças a Deus que a coisa não fica só por ai. Acredito que quando estamos focados em um propósito, meta e objetivo, as coisas simplesmente acontecem. Pode ser que demore e isso não é fácil também. Mas boas amizades nos deixam mais equilibrados nos momentos de desequilíbrio; nos deixam mais calmos em meio as turbulências hormonais naturais do ser humano.

De repente, aquele seu melhor amigo – Por que eu acredito em amizade verdadeira de homem e mulher – aquele seu melhor amigo que falava para você das desilusões amorosas dele e você falava para ele das suas, ambos descobrem que tem muita coisa em comum e começam a ver também que existem muitas coisas, infinitas coisas que os separam, rs… Mas todo amor exige sacrifícios.

Os meus sacrifícios foram muitos, mas valeram todos a pena. Continuam valendo. Minha vida afetiva não foi das mais simples. Sim, eu casei virgem e irei escrever um post sobre isso. Foram na verdade dos 12 aos 19 anos com o coração envolvido em sentimentos afetivos. Eu só tive meu primeiro relacionamento de verdade aos 17 anos, mas desde os 12 eu deixei meu coração se levar pelas “paixões da mocidade”. Não posso dizer que foi um desastre, mas posso dizer que eu poderia ter me conservado.

Talvez para alguns, os encontros e desencontros estejam durando 10/15 anos. Ei, eu li um livro do Augusto Cury – “Seja Líder de si mesmo” – E uma das coisas que eu tomei para a minha vida foi que: – “Eu sou o ator principal no palco da minha vida”. Não sou coadjuvante. Eu gerencio meus sentimentos. Talvez você precise de ajuda, eu precisei, no meu caso foram muitas conversas com meus pais, pois nós tínhamos um excelente relacionamento e eles sabiam de tudo da minha vida, mas quem mais pode te ajudar é você mesmo.

Graças a Deus pelo meu melhor amigo. Um homem nobre, verdadeiro, engraçado (é o que eu mais amo Nele – Ele me faz rir), homem correto, honesto, bom filho, educado e fiel. Ele tinha meta e Propósito, tinha um bom coração. Ele me ouvia. Meu melhor amigo. Depois de casados, se tornou meu eterno namorado. Meu herói que arrebatou meu coração. Ele sabia tudo de mim, sabia do meu coração (acertos e erros) – não tínhamos reservas. Que linda história e ainda temos muito mais a viver.

Te amo pra sempre – Pra Sempre…