Existe brinquedo de menina e menino?

Existe brinquedo de menina e de menino? Calma! Eita assuntinho polêmico.
Mas antes uma outra pergunta – Por que o mundo está assim? Por que essa pressão? Por que as coisas não são naturais como na minha época de criança há 20 e poucos anos atrás? Éramos 2 meninas e um menino, ou seja, em casa tinha brinquedo de tudo o que era tipo e a escolha sempre foi natural, espontânea.

Hoje acredita-se que a escolha pelo brinquedo é incentivada pela cultura e pela sociedade que impõe que rosa seja de menina e azul de menino, que boneca seja de menina e carrinho seja de menino, mas existem pesquisas científicas apontando que a escolha por um determinado brinquedo e a forma de se brincar é atribuída aos hormônios masculinos e femininos na vida intrauterina.

Isso mesmo, existe algo dentro de nós que é biológico e estimula nossas escolhas. Interessante não? A escolha é natural, que coisa linda. Quem explica isso é o Dr. José Salomão Schwartzman, neuropediatra.

“Muito se tem discutido se a menina gosta de bonecas e os meninos de jogar bola porque a educação e as atividades a que são expostos incentivam essa preferência. Embora seja uma questão polêmica, estudos mais recentes revelam que essas diferenças começaram a ser estabelecidas pela ação dos hormônios sexuais ainda dentro do útero materno. Não é só por fatores puramente culturais que a menina prefere as bonecas e os meninos, a bola e os carrinhos. Uma força biológica dentro deles orienta essas escolhas”. Entrevista com o Dr. Dráuzio Varela

Segue o link: http://drauziovarella.com.br/mulher-2/diferencas-de-genero/

Eu tenho 2 filhos meninos! Por que eu deveria comprar uma boneca? Por que os pais que compram uma boneca para seus filhos meninos estão em evidência hoje em dia? Se eles querem comprar, tudo bem, mas isso não significa o “modelo a ser seguido”.

Outro dia eu estava passando batom para sair e meu filho de 2 anos perguntou: — mamãe, posso passar batom também? Eu respondi: — Não filho, batom é coisa de menina. Será que seria natural meu filho de 2 anos, ir para a escola com um batom vermelho porque ele quer? Acredito que não. Ou eu diria para uma criança de 2 anos – Filho, você decide o que é melhor para você. Quer usar batom, usa, tenha sua experiência, você é livre para fazer suas escolhas. Ao meu ver isso seria inadequado, por que uma criança ainda não tem senso crítico, para determinadas escolhas; estão aprendendo.

Por outro lado, meu filho de 5 anos estava fazendo a coleção de bonecos da liga da justiça e perguntou se ele poderia ter a mulher maravilha. Eu disse que sim, que fazia parte da coleção, e até eu queria aquela boneca na minha escrivaninha, iríamos disputa-la. 

Meu filho me vê na cozinha e sempre quer me ajudar. Já lavou louça, já fez suco de laranja e até comida ele já quis fazer por sempre me ver, eu que ainda tenho medo. Qual o problema quanto a isso? Nenhum, pelo contrário, tomara que ele seja um excelente Masterchef Kids.

Você acredita que não existe brinquedo de menina e menino?

Eu estava pensando… quando vamos a uma festinha de criança e precisamos comprar um brinquedinho para o aniversariante – escolhemos de acordo com o sexo da criança? Eu escolho. Por mais que alguns queiram achar que não existe brinquedo de menina e menino, nossas escolhas ao optar por um presentinho para o coleguinha do nosso filho contradizem o que falamos. Resumindo…

Se nossas escolhas contradizem o que falamos, talvez seja preciso rever o que falamos e acreditamos.

Esse assunto ao meu ver é uma teoria. E o modo de avaliar uma teoria é submete-la ao teste prático. Eu não deixaria meu filho sair com a coroa da princesa na rua. Se ele quisesse usar uma coroa, seria a do Rei, com formatos e cores diferentes. Estando eu grávida de uma menina, não pintaria o quarto dela de azul com faixas de bola, carrinhos e aviões… provavelmente o quarto teria uma cor sóbria, com vários artigos e enfeites de florzinha, detalhes singelos, coisa e tal.

Parece que querem nos obrigar a acreditar em um comportamento neutro, cores neutras, o mundo virou bege. Hoje a ideia é que se decore o quarto da criança com cores “flexíveis” – Por que? Para não interferir no padrão comportamental. Sinceramente eu não entendo – a preferência segundo os estudos mais recentes é natural, biológica, hormonal, intrauterina, fisiológica, ou seja qual nome se queira dar.

Em entrevista ao Programa de Apresentação Encontro com Fátima Bernardes, o Dr. Fernando Gomes Pinto disse a respeito do assunto:

“Você até pode dar um caminhãozinho para um menino e uma menina, mas a forma deles interagirem com o brinquedo será diferente. Até os macaquinhos segundo a pesquisa escolhem baseados em uma questão hormonal. Os macaquinhos escolhem mais carrinho e as macaquinhas escolhem mais boneca”.

Segue o link – http://globoplay.globo.com/v/4867741/

Alguns podem pensar: – Háaaa, mas estamos em pleno 2016, século XXI – e o que isso tem a ver? 

A menina quer entrar no exército, o menino quer fazer curso de gastronomia. Qual o problema? Nenhum. Está tranquilo e favorável. Uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra.

Pra terminar minha exposição, rs… Existe brinquedo de menino e de menina? Ao meu ver, claro que sim. Da mesma forma que existem brinquedos para os dois. Eu daria um carrinho para uma menina? Sim. Mas pelo menos entre as meninas que conheço, na escolha entre o rosa e o azul, elas prefeririam o rosa. Entre o verde e o lilás, elas prefeririam o lilás, simplesmente por ser algo natural.

E você daria um arco de princesa para um menino, ou um estojo de maquiagens? Eu? Absolutamente não. Isso é coisa de menina.
Um beijo e até breve.