A Solução para a dor na Amamentação.

Olá, gentiiii… resolvi escrever a respeito do que ninguém conta sobra a amamentação pois de fato foi algo bem estressante, não só para mim, mas para toda família.

Minha experiência com bebes foi há 7 anos atrás com meu primeiro filho e nunca ninguém havia me dito como era difícil amamentar. Não tínhamos na família ninguém com bebe pequeno, minha experiência era zeroooo. Ouvi pouca coisa sobre amamentação. Fui a uma única palestra sobre o assunto, mas a verdade é que o conceito passa longe da prática vivenciada.

A Amamentação é algo lindo, que envolve ternura, afeto e contato físico com seu filho, mas também pode ser um momento de dificuldades e incertezas.

Eis aí minhas inseguranças:

  1. Não sabemos se o bebe está mamando o suficiente;
  2. Não sabemos se temos leite suficiente;
  3. Não sabemos se ele está mamando demais;
  4. Não sabemos se o bebe mamou até o final. Alguém te pergunta: — Seu peito ficou vazio, mole? Oi???? O que significa isso?
  5. Não sabemos se é normal o refluxo (aquele leite azedo que sai) ou se ele está golfando demais.
  6. E quando o bebe só dorme e não quer mamar?

Bem eu não sei você, mas eu descobri o princípio básico do aprendizado – Eu não sabia que não sabia, rs…

Durante o pré-natal, meu ginecologista não me orientou com relação ao cuidado com a preparação dos seios, uso da concha para preparação do mamilo, etc. (Porém o considero como um médico que me deu todo o suporte, até por que eu queria parto normal e em momento algum ele me induziu a uma cesárea). 

Todo o preparo com os seios é importante – Mas a verdade é que cada corpo se comporta de uma forma:

  1. Tem gente que não faz nada e amamenta bem.
  2. Outras mamães fazem tudo certinho e por isso amamentam bem.
  3. Mas também em outro caso mamães cuidam direitinho do seio e eles racham.
  4. Em outros casos como o meu, não fazemos cuidado algum por falta de orientação e dá tudo errado.  

Então, de uma forma ou de outra, siga as orientações do seu médico e se ele não orientar, pergunte.

Só um parêntesis – Aqui vai um link do site BabyCenter de como preparar os seios para amamentação que achei bem legal: Como se preparar para amamentação

Mas vamos ao ponto! Já na maternidade meus seios estavam muito sensíveis e doloridos. Eu sabia que a criança tinha que ficar com a boquinha bem encaixada no seio, parecendo um peixinho, mas gente, é difícil demaissss! Eu sou a única que achei isso?

O bebê escorrega do teu colo, a cabecinha dele vai se encaixar no seu antebraço alguma hora, mas até que isso aconteça de forma natural é uma doideira. Põe travesseio, tira travesseiro. Um diz uma coisa, outro diz outra — você já ouviu tanta gente — os hormônios descontrolados e a mil. A gente sabe que os parentes próximos só querem ajudar, nós sabemos. Eu sabia! Mas era difícil!

Davi mamava demais, com intervalos de 2h! Ficava no peito pelo menos 50min. Eu tinha o colostro (um líquido transparente que sai nos primeiros dias e que depois fica um pouco durinho, agarra até no sutiã). Com 3 dias após o parto o leite desceu para valer. Davi chegava a se engasgar, e durante o meu banho de repente aquele chafariz surgia, kkk!

Mas os primeiros 15 dias de amamentação foram terríveis. Davi mamava demais, e meu seio ficava cada vez pior. A dor ao amamentar era extrema e angustiante. Foram enfermeiras na minha casa, agentes de saúde do posto próximo, todas para me orientarem. Eu colocava o seio exposto ao sol, usava o próprio leite para manter o seio lubrificado (tudo isso orientado por especialistas). Usei uma pomada a base de Lanolina – Lanidrat. Meu seio em casa se tornou público! Que coisa! Eu nunca fui assim, sempre bem reservada, mas tinha que pegar sol, o peito rachado, fazer o que? Sim bora pôr o peito no sol e o mundo que se dane!

Uma certa noite, meu filho acordou para mamar, meu marido tinha que trabalhar no dia seguinte, mas acordava e ficava ao meu lado, por que eu precisava de coragem para pôr o seio na boca da criança. Depois da mamada, Davi golfou sangue. Ficamos apavorados… não sabíamos de onde estava vindo aquilo. Corremos para o “Dr. Google” e lemos que o sangue poderia ser em decorrência do próprio seio da mãe machucado. Era exatamente isso! Foi quando me atentei para os meus seios. Meu Deus!

Tentamos dar mamadeira para o bebê, pelo menos a noite, para os seios descansarem. Porém Davi não pegava a mamadeira, não pegava a chupeta! Socorroooo!

Sempre idealizamos aquilo que é perfeito com relação a maternidade. Aquela criança mamando exclusivamente no seio até o sexto mês. Porém, compramos o leite complementar. Sem experiência, dei 30ml para Davi com uns 10 dias de nascido. Ele mamou e continuou chorando demais. Fizemos outra mamadeira e demos mais 30ml, já com as lágrimas no rosto. Ele mamou e vomitou tudo. Até que tive a coragem e dei o peito para ele. Tadinho, ele já estava cansado, encostou no peito, mamou 20min e dormiu igual a um anjo. Chorei!

Mesmo diante de tudo aquilo, eu nunca pensei em desistir da amamentação. Olhava para aquele bebezinho, que dependia exclusivamente de mim e engolia o choro, encarava a dor e dava a ele tudo o que ele precisava – Leite Materno.

Não estou com disso fazendo nenhuma crítica ao leite complementar (quem me dera que Davi tivesse mamado aquela mamadeira naquela noite). Porém comigo não foi assim. A experiência é individual e para cada um acontece de uma forma diferente.

Porém, a Salvação para dor na Amamentação chegou, o alívio veio – Querem saber o que foi? A dor na amamentação passou de 100% para 1%! Foi um alívio para o físico e o emocional.
Alguém já te falou sobre Bico de Silicone? Querida, to te dando o pulo do gato que me salvou. Vale a pena ter essa “borrachinha” em casa, porque no meu caso, foi um MILAGRE!